O suprimento de Deus na crise financeira

Depois de ler o texto da multiplicação dos pães, em João 6.1-13, gostaria de realçar algumas verdades espirituais. Da mesma maneira como o Senhor multiplicou os pães, Ele quer multiplicar o seu favor sobre nós em toda circunstância que passemos. Naquele dia, a necessidade era de pão, mas Ele está aqui para suprir qualquer das nossas necessidades hoje. Quero enfatizar sete verdades espirituais.

1- Saia do mar e venha para o monte.
Na Palavra de Deus, todos os acidentes geográficos possuem significado espiritual e tipológico. A maior parte dos grandes eventos bíblicos aconteceu em montes. O monte estabelece um significado espiritual. O monte é o lugar onde Deus fala, é onde conhecemos os planos de Deus e os seus caminhos. Jesus não fez a multiplicação à beira do mar. O mar simboliza o lugar da humanidade caída sem Deus. É preciso sair do mar e subir ao monte para receber o suprimento de Deus. É no monte que o Senhor revela os seus caminhos.

Se você está passando por situação de crise financeira, você precisa subir ao monte para receber a prosperidade que vem pelos caminhos e planos de Deus. Não estou falando de um monte literal, o que quero dizer é que você precisa sair do nível natural e buscar o sobrenatural de Deus. Subir ao monte significa sair do nível rasteiro das opiniões humanas e elevar os olhos para ver como Deus vê.

2- A Páscoa está próxima
Não há prosperidade a não ser que a Páscoa seja a base de tudo. Tudo procede da redenção de Cristo efetuada na cruz. Foi lá que Ele nos livrou da maldição da pobreza. Esse texto nos mostra como Deus nos supre. Não importa a nossa necessidade, o Senhor vai nos suprir por causa da obra consumada. O fato de estar próxima a Páscoa nos ensina a importância da experiência de revelação de que já fomos libertos de toda maldição na cruz.

Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos. (2Co 8.9)

É por causa da obra consumada na cruz que podemos experimentar a multiplicação e a prosperidade. João é o único que menciona a Páscoa nessa ocasião. Cada Evangelho é único, e João, por exemplo, é o único que menciona a palavra “cordeiro” referindo-se a Jesus. A respeito da Páscoa, diz-se que era uma festa, e uma festa é uma celebração na qual desfrutamos do cordeiro. O segredo de todo milagre é o desfrute do Senhor.

3- O que o Senhor quer lhe ensinar nessa situação
Jesus sempre tem algo em mente planejado para nós. Toda situação não passa de um teste para nos experimentar. Procure entender o que Deus está lhe ensinando. As situações de crise que nos sobrevêm são a maneira de Deus nos testar. Pode ser o seu salário, que parece estar ficando cada vez menor, ou uma demissão. Deus está por detrás das circunstâncias para nos experimentar. A sua crise financeira é o Senhor querendo testá-lo para ver qual será a sua reação. Ele quer que você o conheça como o Senhor que multiplica os pães.

4- O Senhor mandou que a multidão se assentasse.
Sentar-se sempre é um símbolo de descanso. Antes que o milagre aconteça, você precisa descansar no Senhor. O descanso multiplica o favor de Deus. Esta também foi uma maneira de o Senhor trazer ordem no meio da multidão. Imagine se todos saíssem para pegar o seu pedaço, seria uma grande confusão. O Espírito de Deus age no meio da ordem. O verso 1 diz que Jesus estava sentado com os seus discípulos. Sente-se e desfrute da festa comendo do Cordeiro da Páscoa.

5- Seja grato a Deus.
É na crise que tendemos a reclamar e a murmurar. Mas é a gratidão que move o poder de Deus. O contrário de gratidão é reclamação. Você consegue imaginar o criador de todas as coisas sendo grato por tão pouco?

É interessante que a oração poderosa aqui não foi a oração de autoridade, mas a de ações de graças. O verso 23 diz que o milagre aconteceu depois da oração de ações de graças. Quando somos gratos, saímos do merecimento da lei e declaramos a sua graça. Quando rejeitamos o merecimento, o favor se multiplica.

6- A solução de Deus é sobrenatural
Quando não houver mais saída, simplesmente creia numa solução sobrenatural de Deus para o seu problema. Nesse caso, os pães e os peixes se multiplicaram. A maneira como o Senhor fez é descrita em Marcos 6.

Tomando ele os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou; e, partindo os pães, deu-os aos discípulos para que os distribuíssem; e por todos repartiu também os dois peixes. (Mc 6.41)

O Senhor partiu os pães e foi dando aos discípulos para que eles distribuíssem. Quando o cesto se esvaziava, eles tinham de voltar ao Senhor. Esta é a maneira de o Senhor nos abençoar, Ele quer que sempre voltemos a Ele para receber. E nós nunca saímos vazios. As mãos do Senhor estão sempre cheias para nos suprir. Os pães divididos foram multiplicados em suas mãos. Depois de multiplicados, eram então subtraídos de sua mão. Aumento pela divisão e multiplicação pela subtração não estão de acordo com a economia do mundo.

No momento de crise, você não quer ouvir falar de contribuir, mas é a subtração que traz a multiplicação, a divisão é que traz o aumento. Você nunca perde por dar algo ao Senhor. Gosto do exemplo de Pedro e a pesca maravilhosa. Lucas 5.1-11 diz que o Senhor viu dois barcos às margens do Mar da Galileia e resolveu entrar em um deles, e aquele era o barco de Pedro. Depois de ensinar as multidões assentado no barco, o Senhor mandou que Pedro lançasse as redes para pescar.

Tudo o que o Senhor faz é com um propósito. Sempre que o Senhor lhe pede algo não é porque Ele precisa, mas porque Ele quer uma ocasião para abençoá-lo. Se Deus lhe pediu o seu tempo, o seu dinheiro ou o seu talento, pode ter certeza de que Ele quer liberar mais favor sobre a sua vida. Pedro replicou, dizendo que haviam trabalhado toda a noite e não haviam pegado nada, mas sobre a palavra do Senhor lançaria as redes. O resultado foi que pegaram tanto peixe que tiveram de pedir ajuda aos barcos vizinhos. Era o mesmo mar, o mesmo barco e o mesmo pescador, mas algo tinha mudado, o poder de Deus foi liberado.

Os pensamentos de Deus são sempre mais elevados do que os nossos. Nós pensamos num emprego, mas Ele pensa numa posição. Nós pensamos em ter uma esposa e nos casar, mas Deus pensa numa geração. Ele é sempre generoso em seus planos para conosco. Dê ao Senhor e Ele vai fazer nossa oferta multiplicar e prosperar. Dê a sua vida, os seus dons, o seu dinheiro. Nas mãos d’Ele, tudo se multiplica.

7- O Senhor sempre dá em abundância
O Senhor supriu a todos até ficarem fartos e ainda sobrou. O Senhor sempre nos supre com abundância. O Senhor quer nos dar o quanto quisermos. Quanto você quer hoje do Senhor? Que o Senhor alargue a nossa capacidade de receber. Nós sempre estamos olhando a insignificância de nossa educação e experiência, por isso pedimos apenas um emprego, mas ele quer nos dar uma posição. As demandas de uma empresa são tantas, como posso empreender? Que o Senhor nos alargue. Agradeça pelo que o Senhor já lhe deu, descanse e veja o seu milagre.

Com Deus, não há falta, mas também não há desperdício. Os discípulos recolheram doze cestos cheios. Certamente, eles estavam com fome e pensavam se ainda haveria comida para eles, mas no fim cada um ganhou um cesto inteiro. O Senhor não se esquece do que você faz ou dá a Ele. A alma generosa prosperará. Na economia divina, quando você dá, a sua oferta voltará para você ainda maior.

Algumas lições naturais do texto
Estas são as lições que um coach normalmente lhe daria baseados no texto da multiplicação dos pães. Hoje, quero mostrar a diferença entre uma abordagem natural e outra espiritual, que ministra fé ao nosso coração.

1 . Avalie a sua necessidade (v. 7)
O problema de Felipe é a vastidão da necessidade. Ele conseguia avaliar bem o problema, mas não conseguia perceber que o Senhor Jesus mesmo era a resposta. Deus nunca pergunta pelo que não temos. O seu milagre é sempre através daquilo que Ele já nos deu. Para podermos orar com mais propriedade, precisamos ter clareza da nossa real necessidade.

2. Avalie os recursos (vv. 8,9)
O problema de André é insuficiência dos recursos. Tudo o que temos são cinco pães e dois peixes. Mas o que é isso? Felipe viu o tamanho da necessidade, e André viu o tamanho dos recursos, mas nenhum deles viu o Senhor Jesus. Não menospreze o que você tem nas mãos. Deus sempre começa com o que temos, e não com o que não temos.
Causas comuns de fracasso
Colocar a culpa nos outros.
Culpar-se de maneira irracional.
Não ter objetivos, ter objetivos insignificantes ou objetivos errados.
Viver procurando atalhos.
Escolher sempre o caminho mais longo.
Negligenciar a disciplina.
Desistir cedo demais.

3. Seja prevenido
Veja o exemplo da criança que trazia os cinco pães e os dois peixes. Foi justamente ela que deu o maior exemplo de fé prática. Ela era prevenida. Basta ver que aquele era o seu lanche, a sua merenda. Muitos pensam que ter uma poupança ou fazer uma previdência privada seja errado, mas o exemplo de José nos mostra exatamente o contrário. Ele poupou nos anos de vacas gordas para os anos de vacas magras.

4. Seja econômico
Tomando ainda a criança como exemplo, podemos ver que talvez todos tivessem saído de casa com o lanche, mas só o da criança prevaleceu.

5. Seja Generoso
Basta ver o quanto é difícil tomar o lanche de uma criança. A criança poderia argumentar que não poderia ofertar a Jesus já que não tinha o suficiente nem para si mesma.

6. Organize-se
Então, Jesus lhes ordenou que todos se assentassem, em grupos, sobre a relva verde. E o fizeram, repartindo-se em grupos de cem em cem e de cinquenta em cinquenta. (Mc 6.39-40)
Muitos não conseguem nem mesmo organizar o canhoto do talão do cheque. Muitas donas de casas não sabem o quanto gastam a cada mês em mantimentos.

7. Não desperdice nada (V. 12)
Muitos não prosperam porque são esbanjadores inconsequentes.

Perguntas para compartilhar:
1- O que é preciso fazer na situação de crise financeira?
2- Por que é necessário avaliar os recursos no meio da crise?

Tags