O servo do sangue

por Aluízio A. Silva, pastor presidente da Videira – Igreja em Células

Obede-Edom é um personagem misterioso na Palavra de Deus. Não sabemos muito a respeito dele, mas ele se tornou importante, pois foi depois de receber a Arca em sua casa que Davi conseguiu levá-la para Jerusalém. Por que ele foi tão abençoado com a Arca, enquanto Davi, o homem segundo o coração de Deus, não desfrutou inicialmente da mesma bênção? Para compreendermos isso, precisamos primeiro entender o contexto em que Obede-Edom aparece em cena.

O problema da força humana

Nos dias de Saul, ninguém se importava com a Arca da Aliança. Davi decidiu, então, trazê-la para Jerusalém. A Arca é um símbolo do Senhor Jesus, o Emanuel, a presença de Deus no meio do seu povo. Davi ansiava pela bênção da presença de Deus. A Escritura diz que ele, então, ajuntou o povo e foram buscar a Arca da Aliança que estava na casa de Abinadabe (2Sm 6.5).

O anseio de Davi era correto, ele queria trazer a Arca para o centro da nação. Hoje também precisamos trazer Cristo de volta para o centro da vida da igreja, para o centro da nossa vida. Mas o que Davi ainda não entendia é que a obra de Deus deve ser feita da maneira de Deus. Ele tinha colocado a Arca num carro de boi. Esta foi a maneira como os filisteus devolveram a Arca ao povo de Israel. Deus havia permitido que eles agissem assim porque não conheciam a revelação da aliança, mas Davi não poderia seguir o caminho deles.

Quando os bois tropeçaram, Uzá tentou segurar a Arca. Ele tinha boa intenção, mas mesmo assim morreu diante do Senhor. Na Palavra de Deus, os nomes são significativos, e Uzá significa força. Muitos devem conhecer a famosa metralhadora israelense chamada Uzi. Pois o nome Uzi tem o mesmo sentido de Uzá. Muitos afirmam que o segredo para ter a presença de Deus é o louvor e a adoração. Veja, porém, que não havia falta de louvor, música e dança. O verso 5 diz que Davi e todo o povo cantavam ao Senhor, e mesmo assim houve morte.

É claro que louvor e adoração estão envolvidos com a presença de Deus, mas eles não são o segredo. Infelizmente, existe muito louvor sem um senso da graça de Deus, existe muita adoração sem o sangue. Há um tipo de louvor que não passa de uma performance artística, um show natural.

O que impediu Davi de trazer a Arca foi a força humana representada por Uzá. Se o louvor ou o ministério está baseado na força do homem, não haverá presença de Deus (2Sm 6.8-9).

A graça de Deus não é retirada por causa do pecado do homem, mas a graça é retida por causa da força do braço do homem. A graça de Deus é maior que o pecado, mas a força humana pode parar o mover de Deus. Quando a prostituta veio a Jesus, Ele a recebeu, pois a graça era maior que o pecado dela. Quando os publicanos – que eram como os nossos políticos corruptos de hoje – foram a Jesus, o Senhor os recebeu, porque a graça era maior do que o pecado deles.

As únicas pessoas que não puderam receber do Senhor Jesus foram aquelas que se achavam fortes e santas. Para aqueles que presumiam ter alguma justiça própria, a graça não podia fluir. Em vez de avaliar onde tinha errado, Davi simplesmente desistiu de levar a Arca. No lugar de se voltar para a Escritura para entender o caminho de Deus, ele se encheu de medo e levou a Arca para a casa de Obede-Edom (2Sm 6.10).

Obede-Edom era um servo do sangue 

Davi estava com medo e com raiva, sentindo-se humilhado. Ele certamente concluiu que a Arca era muito perigosa e clamou: “Como trarei a mim a Arca de Deus?” Assim, ele manda que a levem para a casa que estava logo defronte. Então, os soldados batem à porta e dizem: “Senhor Obede-Edom, nós precisamos deixar a Arca aqui na sua casa. Talvez Obede-Edom tenha perguntado: “Por que vocês estão trazendo para a minha casa? A última pessoa que tocou nela morreu”. Mas agora a história é completamente diferente. Durante os três meses em que a Arca ficou na casa de Obede-Edom, Deus abençoou a sua casa e tudo o que ele tinha (2Sm 6.11).

A bênção que Obede-Edom recebeu não foi algo interior no coração, mas foi algo que as pessoas podiam ver. Era notória e visível a bênção de Deus em sua casa. É maravilhoso quando somos abençoados de uma forma que todos podem ver e são obrigados a reconhecer que o Senhor é conosco.

Potifar viu que o Senhor era com José porque ele era próspero, diz a Bílbia. No mesmo princípio, todo o povo viu que a bênção e o favor de Deus estavam sobre Obede-Edom e sua casa por causa da Arca, da presença de Deus.

Naquela mesma noite, Obede-Edom acorda e o medo desaparece, ele sente algo maravilhoso. Ele começa a sentir amor, um amor perfeito que acaba com todo medo. Ele fica maravilhado e sente a presença de Deus como um aroma no ar. Há um prazer e uma paz na casa que nunca houve antes. As pessoas passam na frente da sua casa e ficam maravilhadas com o favor de Deus ali.

Qual o segredo da bênção de Obede-Edom? Em primeiro lugar, precisamos entender o sentido do seu nome. Obede significa “servo” em hebraico e Edom significa “vermelho”. Assim, o significado seria “servo do vermelho”, mas isso não faz sentido. Entretanto, a coisa toda fica clara quando entendemos que Edom é uma palavra derivada de dam, que significa “sangue”. Adão, por exemplo, é Adam em hebraico, que significa “vermelho como sangue”. Assim, podemos dizer que Obede-Edom significa “servo do sangue”. Quando nos tornamos servos do sangue, nós temos a sua presença. 

A prova de que essa interpretação é correta é o fato de que, na primeira vez que Davi tentou levar a Arca, havia louvor, mas não havia holocaustos. Na segunda vez, porém, além do louvor, havia um sacrifício a cada seis passos.

O Senhor Jesus é a Videira verdadeira, e na cruz Ele foi moído e prensado; como resultado, o vinho intoxicante da sua vida foi liberado para nós. Gênesis 49 diz que o sangue é sangue de uvas (Gn 49.11). 

Obede-Edom era geteu

Obede-Edom era geteu, ou seja, da cidade de Gate. Muitos mestres dizem que ele era levita da cidade de Gate-Rimon. Muitos, na verdade, não querem admitir que ele poderia ser de Gate, a cidade filisteia de onde era Golias, o inimigo de Davi, pois nesse caso teriam de admitir que Deus abençoou um gentio antes de abençoar a Davi. Eu, porém, creio que ele era filisteu e sua história foi registrada para mostrar que a bênção de Deus vem também sobre os gentios. No início do seu ministério, o Senhor foi a Nazaré. Ali Ele entrou numa sinagoga e leu Isaías 61. Ao terminar o texto, Ele disse:

Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir. Todos ficaram surpresos perguntando se não era ele o filho de José. Mas eles ficaram furiosos quando o Senhor lhes disse: Havia muitas viúvas em Israel no tempo de Elias, quando o céu se fechou por três anos e seis meses, reinando grande fome em toda a terra; e a nenhuma delas foi Elias enviado, senão a uma viúva de Sarepta de Sidom. Havia também muitos leprosos em Israel nos dias do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro. (Lc 4.25-27)

Por que o povo ficou tão irado? Aquela viúva não era judia, era fenícia. Naamã também não era de Israel, mas da Síria. Eles não tinham participação nas promessas de Israel, mas mesmo assim foram os únicos abençoados. O que o Senhor queria dizer com isso? Ele estava dizendo ao povo: “Não pensem que vocês merecem. Quando você reconhece que não merece, mas mesmo assim vem a Deus para receber, como Naamã e a viúva fizeram, então você obtém o que está pedindo. Nunca confie no quão bom ou obediente você é para merecer a bênção de Deus.

O favor e a bênção de Obede-Edom

A bênção sobre Obede-Edom foi tão evidente que avisaram a Davi. Eu creio que, nesse momento, Davi ficou enciumado e disse: “Essa bênção não pode ficar sobre apenas uma casa. Vamos buscar a Arca na casa de Obede-Edom e trazê-la para Jerusalém para abençoar toda a nação” (2Sm 6.12). Imagino que, quando Obede-Edom ouviu Davi bater à porta de sua casa, ele ficou muito triste. Era maravilhoso demais ter a presença de Deus na sua casa. Por causa disso, ele se tornou porteiro do Tabernáculo para guardar a Arca. Ele e toda a sua família foram com a Arca para Jerusalém. Se a Arca vai, eu também vou com ela (2Cr 15.17-18).

Davi levantou Obede-Edom para ser um porteiro no Tabernáculo. Ele seria um guardião da Arca. São os porteiros que decidem quem pode entrar. Eles são sensíveis ao que está acontecendo. Os próprios filhos de Obede-Edom também foram servir no Tabernáculo de Davi. Mas ele não era apenas porteiro, também se tornou músico e foi designado para ministrar na presença da Arca. Agora, este filisteu Obede-Edom não somente foi apontado como um levita, mas também está tocando harpa para Deus (1Cr 16.5).

Se continuamos lendo, nós veremos como Deus abençoou Obede-Edom, ele teve oito filhos e todos eles se tornaram homens maravilhosos (1Cr 26.4). O versículo 6 diz que o seu filho mais velho teve filhos que dominaram sobre a casa de seu pai e foram homens valentes, e o versículo 8 diz que eram homens capazes e robustos, saudáveis.

Todos estes foram dos filhos de Obede-Edom; eles, seus filhos e seus irmãos, homens capazes e robustos para o serviço, ao todo, sessenta e dois. (1Cr 26.8)

Os irmãos e primos de Obede-Edom também viraram porteiros, todos eram filisteus, eram os inimigos do povo de Deus, mas quando descobriram o quanto o Senhor é bom, eles foram completamente transformados. A Arca trouxe criatividade e expansão de conhecimento, isso é exatamente o que o favor de Deus faz, quando o recebemos, Ele muda tudo. Vamos passar uma eternidade inteira descobrindo o quão bom e maravilhoso Ele é.

Davi se torna servo do sangue

Naqueles três meses, Davi certamente pesquisou e descobriu que os levitas é quem deveriam carregar a Arca nos ombros. Mas, além disso, ele fez algo que não tinha feito antes, ele sacrificou ao Senhor. Nós somos esses sacerdotes que carregam a Arca. Isso é um quadro de um campeão sendo levantado pelos seus companheiros. Nós fomos chamados como sacerdotes para levantar o Senhor Jesus, a verdadeira Arca.

Quiriate-Jearim ficava a doze quilômetros de Jerusalém, mas Davi resolveu oferecer um sacrifício a cada seis passos (2Sm 6.13). Creio que isso deve apontar para nós que caminhamos a cada seis dias e no sétimo participamos da Ceia. Creio que é tempo de termos a Ceia toda semana. Somos servos do sangue e bebemos o sangue da uva para termos vida.

Davi dançava com todas as suas forças diante do Senhor vestido com uma estola sacerdotal de linho. Ele era rei, mas se colocava como sacerdote diante de Deus. Precisamos ser servos do sangue, nos apresentarmos sempre confiados na justiça de Cristo e agir em fé como sacerdotes. Nesse contexto, o louvor e a adoração certamente terão um grande impacto. O resultado disso é que teremos o favor e a bênção da presença do Senhor entre nós.

Perguntas para compartilhar:

1. Como você tem se apresentado diante de Deus?
2. O que é ser servo de sangue?

© 2017 Igreja Videira. Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Alisson Martins