O perigo da justiça própria

Quero tratar sobre um dos maiores riscos que corremos em nossa caminhada cristã: o risco da justiça própria. Esta, por incrível que pareça, tem sido uma das maiores pedras de tropeço na vida de muitos crentes. Alguns, por entrarem por esse caminho, acabam se frustrando, decepcionando-se com Deus e com os homens e, por fim, permitindo que o seu coração se encha de amargura, matando de vez a sua vida espiritual. Gostaria de mostrar, através de um exemplo na Palavra de Deus, como a justiça própria pode se tornar, na vida de um crente, o motivo da sua decadência espiritual. Vamos tomar como exemplo a vida de Adonias, filho de Davi, e como o seu coração se encheu de justiça própria, trazendo uma trágica consequência sobre a sua vida. 1 Reis 1.1-4

Nos dias em que se aproximava a morte do Rei Davi, era chegado a hora de ele passar o trono para um dos seus filhos. Ele já havia proposto no seu coração que o seu sucessor seria Salomão, filho de Bate-Seba, a que fora mulher de Urias e que se deitou com Davi quando ainda era casada com ele. Por causa da sua velhice, contratara uma moça bela, virgem e sunamita para que pudesse cuidar dele e o aquecesse a noite, e assim ela o fez. No entanto, como o rei já não era capaz de governar e os dias da sua morte se aproximavam, era de se esperar que o clima de ansiedade sobre quem seria o novo rei aumentasse cada vez. Foi nessa ocasião que Adonias cometeu o seu primeiro erro.

Primeiro erro: a presunção
1 Reis 1.5-7 A presunção é um erro do qual todos nós estamos sujeitos, principalmente quando as circunstâncias todas estão a nosso favor. O grande problema da presunção é que ela não leva em consideração a escolha de Deus. Quando se trata de ser direcionado pelo Senhor, há duas formas em que podemos errar. Uma delas é quando o Senhor nos dá uma direção e nós não seguimos, a outra é quando o Senhor não nos dá uma direção e nós fazemos por conta própria, isso é presunção. Vejamos o caso de Adonias. O seu primeiro erro foi presumir que seria o rei no lugar do seu pai, mal ele sabia que Davi já havia decidido colocar Salomão. A Bíblia fala que ele se autoinstituiu rei. Porém, não seja rápido a tacar pedras nele por ter feito isso. Pois provavelmente qualquer um de nós, dadas as circunstâncias favoráveis, faríamos o mesmo. Veja só:

Adonias pensou: “Meu pai nunca me negou nada”, o que certamente foi um dos grandes causadores da pretensão e petulância de subir ao trono sem a ordem do pai. Adonias não sabia o que era limites, estava acostumado a ter tudo. Seu ego nunca havia sido contrariado, o que o levou a crescer como um menino mimado, imaturo e com uma fraqueza emocional muito forte. Infelizmente, há aqueles que nunca podem ser contrariados por ninguém e ficam contrariados todas as vezes que as coisas não são do seu jeito. Além disso, Adonias era muito formoso. Tinha aparência e porte de rei. Muitos são aqueles que vivem preocupados com a sua imagem, como serão vistos pelos homens. Estão muito mais preocupados com como vão aparecer em suas redes sociais, quantos seguidores terão em cada postagem. Vivemos a era na qual o que é importa não é o caráter da pessoa, e sim a roupa que ela usa e se está ou não na moda. Aquilo que não agrada é facilmente substituído, e o que não se moderniza rapidamente é banalizado.

Outro fator que certamente ele levou em conta para acreditar que o reino seria seu foi a lógica. Ele era o próximo depois da Absalão. Se fôssemos seguir o curso normal da coisa, ele deveria ser o rei. No entanto, a escolha de Deus não segue a nossa lógica, tampouco o nosso entendimento natural. Deus escolhe quem Ele quer na hora que Ele bem quiser. Mas o fator que, com certeza, foi decisivo para que ele tomasse tal atitude foi o fato de Joabe, o general do exército do rei, e Abiatar, o atual sumo sacerdote, estarem apoiando a sua causa. Ele tinha do seu lado as pessoas mais importantes do reino, ou seja, todas as evidências diziam que ele deveria ser o rei. O povo estava do seu lado. Os líderes estavam do seu lado. As circunstâncias todas estavam do seu lado. Só tinha um problema, Deus não estava.

Segundo erro: a independência
1 Reis 1.9,10 Particularmente, acredito que no fundo Adonias sabia que o que estava fazendo era errado. A prova é que ele fez o que fez escondido do pai e também de outras pessoas que eram leais a Davi. Se o que estivesse fazendo fosse o certo, ele teria feito às claras, e não às escuras. Saiba que Deus sempre despreza o fruto que é feito na carne, baseado em nosso entendimento e esforço e próprio. Deus não pode aceitar nada que venha do homem. Ele aceita somente aquilo que é produzido por Ele. O presunçoso, na maioria das vezes, está cheio de boas intenções, mas boas intenções de nada valem se não houver obediência. Não faça para Deus aquilo que Ele não pediu. A obra que verdadeiramente importa é aquela que está no coração do Senhor. Antes de fazer qualquer coisa, pergunte a Deus se é aquilo mesmo que Ele quer que você faça. Não faça algo só porque outros estão fazendo, não só porque você acha que é o certo, faça o que o Senhor o mandar fazer.

Terceiro erro: a decepção
1 Reis 1.42-49 Aqui temos um ponto crítico na vida de Adonias. O pai não fez conforme ele achava que faria. Muito pelo contrário, Davi decide colocar Salomão no trono. Mas como assim?  Adonias tinha tudo para ser o rei. Tinha todo o gabarito. Tinha o apoio do povo, o apoio dos líderes. Era o próximo na linha de sucessão. O rei só podia estar equivocado. A sua velhice atingiu o seu bom senso. E o pior, Salomão é filho daquela mulher adúltera. Como ele será o rei? É provável que Adonias tenha feito todos esses questionamentos. Não estava conseguindo entender o que estava acontecendo. Mas, de repente, o reino tão sonhado sai das suas mãos tão depressa como entrou. O povo que o apoiava o deixa. Adonias passa pelo maior teste da sua vida: a decepção. Primeiro, decepciona-se com o pai, depois com o seu povo e, por fim, com o próprio Deus. Quantos de nós já não passamos por esses momentos em que tudo parecia tão certo, mas, na verdade, não era aquela a vontade de Deus!? Decepcionamo-nos com as pessoas, até mesmo conosco e, no fim, acabamos nos decepcionando com o próprio Deus. Caímos, então, no último erro de Adonias. E este é fatal.

Quarto erro: a loucura do merecimento
Neste momento chamo a sua atenção aos fatos que virão em seguida. As atitudes de Adonias daqui para frente lhe custarão nada mais nada menos que sua própria vida.
1 Reis 2.12-17 Veja que, mesmo após a traição de Adonias, ainda assim Salomão o perdoou, sabendo que a sentença para o que ele havia feito era a morte. No entanto, em vez de se contentar com o perdão e seguir o seu caminho, Adonias permitiu que a voz da justiça própria falasse mais alto ao seu coração, não se dando por vencido, pois se julgava ser merecedor de alguma coisa. Ele chega a dizer que o reino deveria ser seu, mas que Deus decidiu dar a Salomão. Em outras palavras, Deus errou ao fazer isso. Ele é quem deveria ser o rei. Aqui já vemos o quão insano Adonias estava, a ponto de questionar uma direção divina e se julgar mais certo do que o Senhor. Este é o problema de se achar merecedor. As pessoas acabam se convencendo disso de forma tal que perdem completamente seus escrúpulos quando se trata de tentar provar. Outro detalhe é que, não se contentando com a decisão do rei e com a direção de Deus, Adonias vai em busca de um prêmio de consolação, ou seja, “alguma coisa eu mereço. Pelo menos isso você vai me dar”. Ele pede para se casar com a moça sunamita que havia sido contratada para aquecer o rei Davi, conforme falamos no início do texto, pensando que seu irmão não lhe negaria isso, afinal de contas, ele já tinha o reino. Mas qual foi a surpresa de Adonias?

 1 Reis 2.19-25 Este foi o triste fim de Adonias. Vemos que o que matou Adonias não foi a sua conspiração e traição contra o seu pai, mas a justiça própria. Ao ir atrás de Bate-Seba em busca de um prêmio de consolação, acabou despertando a ira do rei. O curioso aqui é ver que Salomão até conseguiu perdoar a traição, mas a justiça própria foi fatal, pois ela acaba nos tirando de debaixo do favor e nos deixando à mercê da própria sorte. Não se sabe ao certo o que levou Salomão a acender tamanha ira contra o seu irmão, mas acredita-se que o fato era que ele também estava apaixonado pela jovem Abisague, e que essa moça foi o grande amor da sua vida, para quem mais tarde escreveria o livro de Cantares. Que o Senhor nos livre de toda justiça própria e de todo merecimento, para que venhamos desfrutar sempre da graça e do favor imerecido por termos vivido verdadeiramente como aqueles a quem Deus escolheu. Amém!

Pastor Gustavo Pereira. Pastor e representante dos Radicais Livres

Tags