O caminho da deslealdade

A obra de Deus não é feita com gente talentosa, mas com pessoas leais. A lealdade é a principal qualificação de todo líder de célula e discipulador. Não importa se alguém é um grande orador ou um excelente músico, a obra só avançará com líderes leais. Dessa forma, precisamos observar muito atentamente o quanto um líder é leal e fiel.A deslealdade não é algo que acontece repentinamente, antes é um processo. Muitas vezes, sem que as pessoas percebam, elas se deixam envolver num processo que vai culminar na deslealdade. Na verdade, muitos de nós nem percebemos a deslealdade em nossos companheiros. Precisamos de discernimento para percebermos essa atitude se desenvolvendo em nós mesmos em e nossos companheiros de ministério. A deslealdade vai se manifestar seguindo estágios. Eu gostaria de usar Joabe e Absalão como exemplos desses estágios na vida de uma pessoa.

1. O estágio da independência
O espírito de independência é algo bem sutil, e muitas pessoas dificilmente o associam com a deslealdade. Pessoas independentes escolhem quais regras devem seguir de acordo com o seu ponto de vista. Elas obedecem apenas algumas instruções, apenas aquelas que consideram importante. Na maior parte das vezes, não há nada demais em ser independente e autônomo, mas se você é parte de um grupo ou de uma organização, a independência se torna um sinal de deslealdade. Em 2 Samuel 3.20-39, temos o primeiro exemplo de independência de Joabe. Lemos em 2 Samuel que Joabe, o general de Davi, apenas fazia o que queria fazer. Ele era parte do ministério de Davi e de sua equipe, mas era independente. O primeiro exemplo da independência de Joabe foi a morte de Abner. Davi decidiu fazer as pazes com Abner, que fora general de Saul, mas Joabe, agindo independentemente, decidiu matá-lo.

Pessoas assim são perigosas. Joabe poderia ter desencadeado uma guerra civil em Israel. Infelizmente, temos muitas pessoas assim na igreja. São pessoas que não seguem uma visão ou direção, mas sempre desejam fazer as coisas do seu modo. Essas pessoas são potencialmente desleais. Se um líder de célula ou discipulador se recusa constantemente a seguir a direção da igreja e age sempre de forma independente, então a semente da deslealdade está crescendo nele. O segundo exemplo da independência de Joabe está em 2 Samuel 18.5-15. Davi dera ordens explícitas para não matarem Absalão, mas Joabe simplesmente fez o que achava melhor. Pessoas independentes fazem o que querem fazer independentemente da orientação que tenha vindo de cima. Normalmente, pessoas independentes não vão embora. Elas ficam conosco, mas fazem apenas aquilo que querem e como querem. Este certamente é um nível de deslealdade. Alguns nem mesmo percebem a atitude de independência como deslealdade; para eles, é um tipo de autonomia, mas a verdade é que tais pessoas cairão na deslealdade. Devemos ser cuidadosos para advertir tais irmãos, mas se eles permanecem com uma atitude de independência, não devem ser colocados em posição de liderança na igreja.

O terceiro exemplo da independência de Joabe está em 2 Samuel 12.26-29. Joabe havia conquistado a cidade, mas mandou avisar a Davi que viesse e se envolvesse na batalha, senão ele próprio seria aclamado como rei da cidade. O que Joabe estava dizendo, em outras palavras, era: “Eu não vou fazer todo o trabalho difícil sozinho para você receber a glória”. É como enviar uma mensagem dizendo: “Venha ajudar a abrir a obra aqui na minha cidade, senão mudarei o nome da igreja”. Pessoas independentes normalmente se acham fundamentais na obra e sempre gostam de enfatizar aquilo que fazem. Líderes independentes se acham donos de suas células e pastores independentes se acham donos de suas igrejas.

2. O estágio da decepção
O segundo estágio da deslealdade é a decepção. Poderíamos também chamar esse estágio de ofensa ou mágoa. A decepção é resultado da ofensa ou mágoa. Quando nos sentimos feridos por nossos líderes, podemos dar lugar à deslealdade.  Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros. (Mt 24.10). Ficar ofendido não é um direito nosso. Na verdade, ficar ofendido é algo muito grave e de muitas consequências. Quem se ofende se enche de justiça própria e, por causa disso, trai e é desleal. O espírito de ofensa sempre abre porta para o espírito de traição. Quem não supera suas feridas se torna desleal aonde quer que vá. As maiores perdas na história da igreja aconteceram porque alguém ficou ofendido. Absalão foi alguém que se tornou desleal, e a deslealdade entrou em sua vida pela porta da ofensa. Absalão ficou profundamente magoado quando sua irmã Tamar foi violentada pelo irmão Amnon. Depois, ele ficou ainda mais magoado porque seu pai, Davi, não fez coisa alguma. Davi ficou apenas zangado, mas ele deveria ter feito mais que isso. Baseado em Levítico 20.17, a penalidade para o incesto era a morte. Davi, sendo o rei, deveria ter cumprido a lei de Moisés.

Se um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai ou filha de sua mãe, e vir a nudez dela, e ela vir a dele, torpeza é; portanto, serão eliminados na presença dos filhos do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã; levará sobre si a sua iniqüidade. (Lv 20.17)Davi realmente errou, mas o erro de Davi foi um teste para Absalão. Em vez de tratar com o seu pai e buscar uma solução, Absalão apenas ficou ofendido e por isso a deslealdade cresceu no seu coração. O erro do líder será sempre um teste para o liderado.

3. O estágio do isolamento
Depois que Amnon violentou Tamar, Absalão não fez nada por dois anos inteiros. Ele se tornou passivo e ressentido e por causa disso se isolou. Porém, Absalão não falou com Amnom nem mal nem bem […] (2Sm 13.22). Normalmente, depois de serem ofendidas, as pessoas se isolam. O mesmo acontece na vida da igreja. Pessoas ofendidas não se envolvem, são indiferentes e certamente se tornarão críticas da liderança e da obra. Tornar-se crítico é a atitude natural daquele que não se envolve e fica passivo na igreja. Para ser crítico, é preciso se colocar de fora e ter tempo para avaliar todos os erros dos líderes e menosprezar a igreja. Um líder que se tornou passivo certamente se sentiu ofendido e está magoado. Possivelmente, pessoas erraram com ele, mas ele não conseguiu perceber que a falha do outro foi um teste para ele, por isso a deslealdade penetrou no seu coração. Sempre gosto de saber se aqueles que estão ao meu derredor estão felizes e envolvidos na obra. Quando temos líderes e pastores passivos que não se envolvem, é porque a deslealdade pode estar sendo alimentada.

4. O estágio da crítica
Uma pessoa que se deixa tomar pelo espírito de deslealdade não fica passiva indefinidamente, em algum momento, ela se levantará com críticas. Esse é o estágio de observar e ampliar as falhas da igreja. O que essas pessoas não percebem é que tudo depende da perspectiva de como olhamos as coisas. O valor de algo depende da forma como você olha para aquilo. Se você olha para uma coisa com olhos críticos, verá apenas imperfeições e defeitos; mas, se olha com olhos de amor, verá algo bom e terá paciência e esperança de mudança. Absalão também começou a ver falhas no estilo de liderança de Davi. Então, Absalão lhe dizia: Olha, a tua causa é boa e reta, porém não tens quem te ouça da parte do rei. (2Sm 15.3). O Senhor Jesus disse que, se os nossos olhos forem bons, então haverá luz em nós. O problema está sempre nos olhos de quem olha.

5. O estágio da dissimulação
Uma pessoa dissimulada se torna política no mau sentido da palavra e passa a envolver outras pessoas com as suas ideias. Ela quer reunir outras pessoas e fazer com que acreditem que ela tem identificado um problema real que deve ser tratado. Foi exatamente isso que Absalão fez.
Então, Absalão lhe dizia: Olha, a tua causa é boa e reta, porém não tens quem te ouça da parte do rei. Dizia mais Absalão: Ah! Quem me dera ser juiz na terra, para que viesse a mim todo homem que tivesse demanda ou questão, para que lhe fizesse justiça! Também, quando alguém se chegava para inclinar-se diante dele, ele estendia a mão, pegava-o e o beijava. Desta maneira fazia Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para juízo e, assim, ele furtava o coração dos homens de Israel. (2Sm 15.3-6)

A Bíblia diz que Absalão se sentava na porta da cidade e escutava qualquer um que vinha ver o rei. Ele demonstrava simpatia e interesse pelo problema das pessoas, mas sempre realçando que a falha estava na liderança do rei. Absalão talvez dissesse: “Vamos orar pelo nosso querido rei. Ele já está velho e não consegue lidar com o peso da obra”. Ou talvez dissesse: “Eu pessoalmente não concordo com essa posição. Mas o rei mandou. Que se há de fazer?”Pessoas desleais têm uma maneira insidiosa de discutir as falhas de seu líder. Algumas vezes, até parecem piedosos, dizendo:
• “Você não acha que muitas pessoas estão deixando a igreja?”
• “Eu acho que o pastor viaja muito. E você?”
• “Sinto que não temos a unção que tínhamos no princípio dessa obra.”

6. O estágio do engano
Eu creio que as pessoas que se rebelam estão debaixo da influência de um espírito de engano. É esse espírito que faz com que elas se sintam cheias de justiça. Também é esse espírito que as tornam cegas para o caminho de destruição que estão seguindo. Um pensamento de engano é a ideia de que Deus escolhe os maiores ou melhores. Muitos se rebelam porque julgam que são maiores que seus líderes. Davi tinha liderados maiores que ele, e o próprio Senhor Jesus disse que faríamos obras maiores. Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai. (Jo 14.12)
Mas isso não significa que somos maiores que Jesus.
Em verdade, em verdade vos digo que o servo não é maior do que seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou. (Jo 13.16)
É nesse estágio que vemos a rebelião às claras. Nesse estágio, a pessoa demonstra toda a sua deslealdade e luta abertamente contra a autoridade. Essa luta declarada acontece por causa do espírito de engano. A pessoa se convence de que está correta e agora tem o apoio de outras que a incentivam.Nos estágios anteriores, a rebelião estava presente, mas agora ela se manifestou visivelmente.

7. O estágio da morte
O fim de todo rebelde é sempre a morte. Alguns morrem espiritualmente e ministerialmente, outros podem mesmo vir a morrer fisicamente.
Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria e culto a ídolos do lar. (1Sm 15.23). A punição bíblica para a bruxaria é a morte. A feiticeira não deixarás viver. (Êx 22.18). Deus não tolera rebelião de nenhum tipo. Não se envolva em qualquer tipo de rebelião. Algumas pessoas simples se deixam levar pelas palavras de gente rebelde. Peça ao Senhor discernimento. Se as pessoas soubessem claramente em que estão se envolvendo, creio que rejeitariam a rebelião. O resultado da rebelião é a morte. Deus o substituirá por outro mais digno que você. Você será colocado num lugar de obscuridade e esquecimento e ainda haverá maldição sobre a sua casa.

Perguntas para compartilhar:
1- Quais são os estágios para caminho da deslealdade?
2- Qual é o resultado da rebelião?

Tags