Ministros do Novo ou do Velho Testamento?

A vida cristã é toda sobre permanecer em Cristo. Pela morte de Cristo na cruz, nós fomos feitos um com a Divindade e podemos desfrutar de união com Deus continuamente, inteiramente por iniciativa de Deus, não nossa. Faz parte da nossa visão a afirmação de que cada crente é um ministro. Cada membro precisa ser canal para ministração na vida de outros. O grande problema acontece quando tentamos agir como ministros, mas o fazemos segundo os conceitos do Velho Testamento. Você é um ministro do Novo ou do Velho Testamento? Esta parece ser uma pergunta meramente retórica, mas não é. Infelizmente, muitos irmãos estão no Novo Testamento em termos de doutrina, mas tentam viver a vida cristã nos padrões do Velho Testamento. Como podemos perceber essa contradição?

No Velho Testamento, Deus habitava primeiro no tabernáculo e depois no templo, mas hoje Ele habita em cada crente
Será que podemos ficar mais perto de Deus? Segundo o conceito do Velho Testamento, você ficaria mais perto de Deus quanto mais perto estivesse do templo. Um cidadão comum de Israel certamente invejava a intimidade que um sacerdote podia ter com Deus, uma vez que ele podia entrar no Lugar Santo, algo que era vedado ao cidadão comum. As pessoas certamente experimentavam uma sensação de distância de Deus, porque a presença do Senhor era algo restrito a poucos. Mas hoje, nos dias do Novo Testamento, nós podemos entrar com ousadia no Santo dos Santos. O véu já se rasgou e Deus veio habitar em nós e em nosso meio: Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne. (Hb 10.19-20).

Todos nós queremos ter um relacionamento mais profundo e mais significativo com Deus. Este é um desejo realmente bom, porque todos nós fomos feitos como a luva, a imagem e semelhança da mão. Fomos feitos para conter Deus e nos relacionar com Ele.

O problema acontece quando pensamos que estamos distantes de Deus e que precisamos chegar mais próximo. Mas isso contradiz a verdade da Palavra de Deus. Você está n’Ele. Vamos pensar sobre isso por um segundo. Nós, como cristãos, tornamo-nos um com a Divindade. Estamos no Pai e o Pai está em nós. Estamos em Cristo e Cristo está em nós. Estamos no Espírito Santo e o Espírito Santo está em nós. Então, como podemos ficar mais perto de Deus? Eu sei que parte do problema é o conceito equivocado de que Deus se afasta de nós cada vez que pecamos. Como pensamos que Ele se afasta e sabemos que sempre pecamos, então concluímos que precisamos chegar mais perto d’Ele. Mas isso precisa ser mudado. É verdade que podemos apagar o Espírito (1 Ts 5.19) e também podemos entristecê-lo (Ef 4.30), mas Ele nunca nos abandonará. Certamente, nossa sensibilidade e percepção do Espírito pode ser afetada e algumas vezes podemos não sentir a sua presença, mas precisamos crer que Ele nunca nos deixará, “porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei” (Hb 13.5).

Em João 15, Jesus disse que Ele era a videira e nós éramos os ramos. Ele disse que nós somos parte d’Ele mesmo. Imagine uma árvore sólida e grande, com um enorme tronco e muitos ramos. Agora me responda: qual ramo está mais perto do tronco? É uma pergunta estúpida, certo? Eles estão todos ligados ao tronco. Não existe um mais perto ou mais longe. Agora, deixe-me fazer outra pergunta. Quais dos ramos são os mais antigos? Isso é óbvio também, certo? Os grandes galhos grossos, obviamente. Qual é a verdade aqui? Nós não ficamos mais perto de Deus, mas nós crescemos em Deus. Estamos tão perto d’Ele como nunca poderemos ficar. E é por desfrutar dessa união com Ele que nós crescemos e somos alimentados para nos tornar um galho robusto e sólido, que dá muito fruto. Temos de mudar nossa linguagem. Esta linguagem de se sentir longe de Deus e por isso ter necessidade de ficar mais perto d’Ele é extremamente prejudicial. Esta é a base pela qual muitas pessoas se relacionam com Deus. Colocam sua união com Deus baseada em seu desempenho, em vez de basearem na obra de Jesus na cruz. Vamos começar a nos concentrar no fato de que somos um com Deus e que todos devemos crescer n’Ele. E vamos abandonar esse conceito contraditório de que precisamos ficar mais perto de Deus.

Você está em Cristo e Ele está em você. Deus habita em você e o envolve completamente. Ele prometeu que nunca vai deixá-lo nem desampará-lo. Se você está desesperado, então você tem um relacionamento disfuncional. Todo esse desespero somente destaca algumas crenças erradas sobre o seu relacionamento com Deus. Não é por acaso que muitos chegam diante de Deus agonizando. Estão sempre gritando desesperados porque se sentem distantes de Deus. É verdade que nem sempre percebemos a presença de Deus e certamente precisamos orar e louvar de todo o nosso coração, mas o que atrai a sua presença é a fé, e não o nosso desespero. A vida cristã é toda sobre permanecer em Cristo. Pela morte de Cristo na cruz, nós fomos feitos um com a Divindade e podemos desfrutar de união com Deus continuamente, inteiramente por iniciativa de Deus, não nossa.

Precisamos apenas crer e começar a desfrutar de intimidade com o Pai. A verdade do evangelho é que Cristo em nós é a esperança da glória. Nós fomos feitos templo de Deus, o Santo dos Santos está no nosso espírito. Temos acesso à presença de Deus continuamente pelo sangue de Jesus. Muitos, porém, ainda consideram que a presença de Deus é algo que depende deles mesmos, por isso vivem desesperados pela presença de Deus. O seu foco está na habitação permanente de Deus? Ou o seu foco está na visitação de Deus? São duas formas de se relacionar com Deus que vão afetar profundamente a sua vida cristã.

Pr. Aluízio Silva

Tags