Deus não consulta o seu passado para definir o seu futuro

por Aluízio A. Silva, pastor presidente da Videira – Igreja em Células

A Bíblia é o falar de Deus, e nela há duas seções: o Velho Testamento e o Novo Testamento. No Velho Testamento, Deus falou por meio dos profetas, e no Novo Testamento, Ele falou pelo seu Filho Jesus Cristo.

Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. (Hb 1.1-2)

O Novo Testamento é composto de quatro evangelhos, o livro de Atos dos Apóstolos, as Epístolas e o livro de Apocalipse.

Enquanto estava na carne, o Filho começou a falar nos quatro evangelhos e, depois de sua ressurreição, Ele continuou falando por meio dos apóstolos.

A Bíblia é um livro de vida, e essa vida nada mais é do que a pessoa do Senhor Jesus. No tempo do Velho Testamento, eles apontavam para a frente, para Cristo, que ainda viria; hoje, no tempo do Novo Testamento, nós apontamos para trás, dizendo que Ele veio.

Por que precisamos de quatro evangelhos?

Se você olhar para mim de frente, verá sete buracos, mas se olhar para mim de costas os buracos desaparecem. Se você quer um quadro completo da minha aparência, precisa tirar quatro fotos minhas, uma de cada lado. É exatamente isso que foi feito no Novo Testamento. Cristo é extraordinário e excelente. Ele é insondavelmente rico, por isso precisa de quatro biografias: Mateus, Marcos, Lucas e João.

A genealogia de Jesus

Quase todos nós somos incomodados pela primeira página do Novo Testamento. Ela tem muitos nomes difíceis de pronunciar e não conseguimos ver a sua utilidade. Mas a primeira página de qualquer livro é a sua apresentação. A genealogia de Cristo é a sua apresentação.

Cada evangelho foi escrito sob uma ótica. O Evangelho de Mateus é o evangelho do reino e mostra Jesus como o rei filho de Davi. Para isso, ele precisa mostrar a genealogia de Jesus, pois um rei precisa de uma genealogia.

Marcos mostra Jesus como um servo, e servos não possuem genealogias, por isso Marcos nada menciona sobre a genealogia.

Lucas mostra Jesus como o Filho do homem salvador. Para mostrar Jesus como homem, ele traça uma genealogia de Jesus até Adão. Ele mostra Jesus que veio buscar o perdido.

O último evangelho mostra Jesus como o Filho de Deus, e por isso João mostra que Jesus é eterno e nunca teve começo de dias. Ele é o Verbo eterno.

  1. Filho de Abraão e filho de Davi

A genealogia de Jesus mostra quem Ele é. Aqui se diz que Ele é filho de Abraão e filho de Davi.

O que significa ser o filho de Davi? Sabemos que Salomão era o filho de Davi na genealogia de Jesus. Salomão aponta para Cristo de três maneiras:

–             Ele era o herdeiro do reino (2Sm 7.12-13; Jr 23.5; Lc 1.32-33).

–          Ele tinha a sabedoria de Deus.

–             Ele edificou o templo de Deus (2Sm 7.13).

Como Salomão, Cristo é o herdeiro do trono que nunca terá fim. Suas palavras são palavras de vida e sabedoria, e hoje Ele está edificando a igreja para ser o templo do Deus vivo.

O que significa ser filho de Abraão? Sabemos que Isaque foi o filho de Abraão, e ele aponta para Cristo de três maneiras:

–           Isaque trouxe a bênção sobre todas as nações (Gn 22.18; Gl 3.16 e 14).

–            Ele foi oferecido como sacrifício e figuradamente ressuscitou (Gn 22.1-12; Hb 11.17 e 19).

–            Ele recebeu a noiva (Gn 24.67).

Como Isaque, em Cristo são abençoadas todas as famílias da terra. Ele foi oferecido como sacrifício pelos nossos pecados na cruz do Calvário e ressuscitou ao terceiro dia. Está chegando o dia em que Ele vai receber a sua igreja como noiva preparada pelo Espírito Santo.

  1. Três tipos de pessoas contadas na genealogia

Sabemos que Deus é o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Por que três? Esses três homens apontam para três tipos de pessoas e também para as três pessoas da trindade.

Abraão representa aqueles que são importantes. Veja que Abraão ainda hoje é reverenciado pelas três grandes religiões monoteístas: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Deus é o Deus das pessoas importantes.

Isaque nos fala de pessoas comuns. Aqueles que nunca fizeram nada extraordinário nem para o bem nem para o mal. São gente comum. Deus é o Deus das pessoas comuns. Ele é o Deus de Isaque.

Jacó aponta para aqueles que são pervertidos e de caráter torto. Deus é o Deus de Jacó, Ele é o Deus das pessoas imorais e desviadas.

Abraão aponta para a obra do Pai, Isaque aponta para a obra do Filho e Jacó aponta para a obra do Espírito Santo. É por isso que Deus é chamado Deus de Abrão Isaque e Jacó, porque Ele é um Deus triúno – Pai, Filho e Espírito Santo.

Esse mesmo princípio pode ser visto na genealogia de Jesus. Em sua genealogia, existem três tipos de pessoas: os patriarcas e reis (que são importantes), as pessoas comuns e as pessoas problemáticas e imorais. O fato de estarem todas na genealogia de Jesus nos mostra que Jesus se misturou e se identificou com todos os tipos de pessoas para trazê-las para Deus.

  1. Cinco mulheres de má reputação

Para os judeus, existiam três coisas que não poderiam constar numa genealogia: o nome de uma mulher, o nome de um gentio e o nome de alguém indigno.

O mais fascinante é que a Palavra de Deus menciona cinco mulheres, e dessas cinco, quatro eram gentias e indignas por serem imorais.

O Espírito santo incluiu o nome delas para nos mostrar que Jesus veio não somente para os judeus, mas também para os gentios, e não somente para as pessoas morais, mas também para as imorais e rejeitadas.

a.Tamar

Tamar teve um filho por meio de um incesto com o seu sogro (Gn 38.6-27). Isso é deplorável sob todos os aspectos.

Tamar era casada com o primogênito de Judá. Acontece que ele morreu sem deixar filhos. Tamar sabia da importância da primogenitura. Naqueles dias, a primogenitura significava direito à porção dobrada da herança da terra e participação no sacerdócio e na realeza.

Pela lei, o segundo filho deveria casar-se com ela e dar continuidade ao direito de Tamar, mas Judá não fez isso. Ela, então, usou de um meio ardiloso para enganá-lo. Ela se fez de prostituta e teve uma relação com o seu sogro com o intuito de manter o direito da primogenitura.

Isso foi errado, mas por causa da sinceridade, foi aceitável diante de Deus. Existem algumas pessoas que mentem para os seus pais ou maridos para poderem ir ao culto. Posso dizer que é uma mentira pura.

Outros usam de astúcia para servir a Deus. Durante o regime comunista na Rússia, quando era proibido pregar o evangelho e fazer reuniões evangélicas, um jovem foi abordado pela polícia quando estava indo para um culto. Os policiais queriam saber para onde ele estava indo, e não podendo responder a verdade, disse aos policiais: “Nosso irmão mais velho morreu e agora a família está reunida pera lembrar-se dele e ler o seu testamento”. Podemos dizer que ele mentiu falando a verdade.

Não se preocupe com a religião e seus métodos, Deus está olhando para a sinceridade do coração. Faça de tudo para receber a bênção de Deus. Não importa onde você esteja, se você estiver honestamente e sinceramente buscando a Deus, Ele se deixará ser encontrado por você.

b. Raabe

Raabe era uma prostituta em Jericó (Js 2.1). Como pode uma prostituta tornar-se um ancestral de Cisto? Para entender isso, precisamos perceber um princípio. Ela foi salva em Jericó porque se apegou ao povo de Deus (Js 6.22-23,25; Hb 11.31).

Sabemos que ela cometeu traição contra o seu povo para proteger os espias enviados a Jericó. Ela se apegou ao povo de Deus e creu no Senhor. Isso nos mostra que independentemente de nosso passado devemos nos voltar para Deus e seu povo.

c.Rute

A outra mulher mencionada na genealogia de Jesus era Rute. Rute pertencia à tribo de Moabe, e de acordo com Deuteronômio 23.3, os moabitas eram proibidos de entrar na congregação do Senhor até a décima geração. Rute era, portanto, uma excluída.

Nenhum amonita ou moabita entrará na assembléia do SENHOR; nem ainda a sua décima geração entrará na assembléia do SENHOR, eternamente. (Dt 23.3)

Mas porque Rute teve um coração para buscar a Deus e seu povo, ela recebeu o privilégio de ser contada entre patriarcas e reis.

Talvez você seja alguém desprezado e excluído, mas não se preocupe, desde que tenha um coração para buscar a Deus, você poderá desfrutar da pessoa do Senhor Jesus.

d.Bate-Seba

Davi assassinou Urias e tomou sua esposa, Bate-Seba. Ela casou-se em consequência de um adultério. O nosso Deus tem o poder de transformar a maldição em bênção.

e.Maria

Por ser uma virgem, Maria era diferente das outras quatro mulheres mencionadas nessa genealogia. Maria era pura e singular. Ela concebeu do Espírito Santo, e não do homem, para gerar Jesus (Lc 1.34-35; Mt 1.18 e 20).

Esse relato das quatro mulheres recasadas e uma virgem prova que todas as pessoas mencionadas nessa genealogia nasceram do pecado, exceto Cristo, que nasceu em santidade.

  1. Três grupos de catorze gerações

Na Palavra de Deus, os números são importantes. E, na genealogia de Jesus, vemos pelos menos dois: o catorze e o quarenta e dois.

O número catorze é composto de quatro mais dez. Na Palavra de Deus, o quatro simboliza a criação.

–         Quatro elementos (terra, ar, água e fogo).

–            Quatro ventos (Ap 7.1).

–            Quatro estações, quatro direções, quatro impérios mundiais do livro de Daniel  de Nabucodonosor a Jesus.

–          Os quatro evangelhos registram a história de Cristo no mundo.

–             Na Parábola do Semeador, o coração tem quatro condições.

–            O julgamento do mundo tem quatro aspectos: guerra, fome, doença e terremoto.

–             A Bíblia ainda fala dos quatro cantos da terra e dos quatro ventos (Ap 7.1).

O número dez, por sua vez, simboliza a plenitude humana.

–          Dez virgens.

–           Dez pragas no Egito.

–            Dez Mandamentos da lei.

–             As dez virgens e os dez servos de Lucas 19.13.

–            Dez dedos dos pés e das mãos.

O número catorze, sendo a união de quatro e dez, significa a plenitude da criação.
Isso é para significar que Jesus veio na plenitude dos tempos.

Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei. (Gl 4.4)

Além do número catorze, temos ainda o quarenta e dois. O quarenta e dois significa um tempo de sofrimento. Veja que é diferente de quarenta, que significa um tempo de prova e teste, mas não necessariamente de sofrimento.

– O livro de Apocalipse nos diz que a grande tribulação será de quarenta e dois meses (Ap 13.2 e 11.5).

– As paradas dos filhos de Israel no deserto, como mencionado em Números,  foram quarenta e duas (Nm 33).

Depois de passar pelas quarenta e duas paradas, chegou-se a Canaã. Depois de quarenta e duas gerações, Jesus, o prometido, veio. Ao fim da grande tribulação de quarenta e dois meses, Jesus virá.

Todo o tempo antes de Jesus vir foi de sofrimento. Todo o tempo antes de alguém ter Jesus gerado em seu coração é de sofrimento. 

Perguntas para compartilhar:

– Quais são as três pessoas mencionadas na genealogia de Jesus?

– Qual a importância da genealogia do rei?

© 2017 Igreja Videira. Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Alisson Martins