Desbloqueie o milagre de Deus

Sempre que aparece a expressão depois disto”, é porque aconteceu algo importante e há uma conexão com o que aconteceu. Nesse caso, foi a cura do paralítico no Tanque de Betesda, no capítulo 5. Provavelmente, é o monte Arbel no mar da Galileia, provavelmente onde houve a multiplicação dos pães e peixes, há uma planície ali perto, um lugar deserto. Sempre que aparece a expressão depois disto”, é porque aconteceu algo importante e há uma conexão com o que aconteceu. Nesse caso, foi a cura do paralítico no Tanque de Betesda, no capítulo 5. Provavelmente, é o monte Arbel no mar da Galileia, provavelmente onde houve a multiplicação dos pães e peixes, há uma planície ali perto, um lugar deserto.

Bestsaida está do outro lado. Mas essa área pertence à cidade, porém não era na cidade, guarde isso. Voltando para João 6, vamos aprender que aqui há uma resposta profunda para as nossas necessidades, a qual nos mostra a maneira de Deus suprir, seja qual for a necessidade que temos. Ele vai nos ensinar os caminhos do mundo para isso em contraste com a maneira como Ele faz. Este é um milagre muito importante, porque é o único milagre que é repetido quatro vezes, está nos quatro evangelhos. Se Deus menciona algo uma vez, já é significante, mas se Ele menciona algo quatro vezes, então precisamos ver cada detalhe. Vamos falar primeiro sobre o teste de Felipe, depois sobre a resposta de André, em seguida sobre a responsabilidade dos discípulos e a última parte é a suficiência do salvador.

Dos quatro relatos existentes, João fala de algumas coisas que não estão nos outros quatro evangelhos,por exemplo, diz que isso aconteceu na época da Páscoa, nenhum outro menciona. Isso não acontece porque em nenhum outro evangelho aparece a palavra “cordeiro”. João começa falando de João Batista: Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo.1-29). Ele começa dizendo sobre Jesus, o evangelho divino. Então, ele menciona que era próximo da Páscoa, que era uma festa, um lugar para desfrutar do cordeiro. Nesse milagre, você vai conhecer alguns segredos de desfrutar de Jesus e receber milagre. Esta era uma festa dos judeus para nos lembrar que nós fomos enxertados por graça, pois não era para nós, mas fomos colocados nela. Uma festa para desfrutar de Jesus.

1- O teste de Felipe
Mas dizia isto para o experimentar; porque ele bem sabia o que estava para fazer. (Jo 6.6). Era só um teste. Às vezes, o Senhor nos faz uma pergunta para nos testar, mas Ele mesmo já sabe o que está para fazer. Às vezes, sentimos que Deus nos pergunta sobre fazer algo e nós ficamos avaliando se é possível, se tem dinheiro, etc. Eu creio que Ele está nos testando sobre poder pregar somente a mensagem do evangelho da graça. Muitos pastores pensam que, se fizerem isso, pessoas irão embora atrás de uma novidade, algo diferente.  Outros pensam que a igreja não vai crescer, etc., mas é só um teste, Ele já sabe o que está para fazer. Às vezes, Ele está lhe perguntando se você pode perdoar alguém hoje, candidatar-se para uma vaga, dispor-se a abrir a sua casa ou liderar, e você está receoso por achar muito difícil, porque está pensando que você é quem terá de fazer, mas Ele só está testando-o, Ele já sabe o que está para fazer.

Por que testar Felipe entre todos os outros discípulos? É porque ele era de Betsaida. O teste sempre vai acontecer em casa primeiro, na sua casa e entre nós primeiro. Por causa do evangelho da graça de Deus, tudo o que aconteceu entre nós, todos os problemas, foram dentro de casa. Deus está nos testando para saber se podemos e vamos continuar ministrando essa única mensagem. É só um teste, ELE SABE O QUE ESTÁ PARA FAZER ENTRE NÓS. Ele disse: “Felipe, você conhece bem esse lugar, onde vamos comprar pães para essas pessoas?” “Respondeu-lhe Filipe: Não lhes bastariam duzentos denários de pão, para receber cada um o seu pedaço” (Jo 6.7). Felipe respondeu no natural, duzentos denários, duzentos dias de trabalho, que ainda é muito dinheiro, não seria suficiente para que cada um deles recebesse “um pouco”. Como alguém pode usar a palavra um pouco” na presença do grande Eu Sou? Falamos isso baseados no que vemos, e não baseados em para quem nós falamos.

O problema de Felipe era a vastidão da necessidade, por isso ele disse que não seria suficiente e que não daria nenhum pouco. Olhou para a necessidade e se esqueceu daquele a quem está respondendo. Quando olhamos para o problema, para a grandeza da necessidade, e não para Jesus, que fez todas as coisas, você é tomado de incredulidade e desiste de ver a solução. O Deus que nós servimos e nos ama não se importa com o tamanho do problema. Ele apenas estava testando Felipe. Dizer um pouco” na presença de Jesus é patético. Na presença de Deus, um pouco” se torna muito”. Deus falou com Moisés na sarça ardente. Moisés, naquele momento, não tinha nada. O Senhor, então, lhe perguntou o que ele tinha nas mãos. O Senhor nunca pede o que não temos, e sim o que temos.

Tomou, pois, Moisés sua mulher e seus filhos, e os levou sobre um jumento, e tornou à terra do Egito; e Moisés tomou a vara de Deus na sua mão. (Êx 4.20). Como a viúva, quando Eliseu foi à sua casa, e os credores vieram para cobrar a dívida do marido que não existia mais e eles iam levar os garotos como escravos, então ela clamou ao profeta a ajuda e Eliseu perguntou: O que você tem na sua casa?” (2Rs 42). Alguns de nós achamos que o que temos é muito pouco para resolver um problema tão grande. Mas olha o garoto com cinco peixes e dois pães. O que é isso? Desprezamos o pouco que temos e não pensamos que Deus pode multiplicar. A viúva respondeu a Eliseu que só tinha um pouco de óleo”. Sempre falamos assim, mas, com Deus, somente um pouco de óleo na vasilha é suficiente, a farinha não vai acabar, Deus multiplica tudo isso. Dê ao Senhor o que você tem, é suficiente para Ele, não importa o tamanho do seu problema.

2- A resposta de André
Um de seus discípulos, chamado André, irmão de Simão Pedro, informou a Jesus: Está aí um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas isto que é para tanta gente? (Jo 6.8,9)Dois peixinhos e um menininho”, dois diminutivos nesses versos, guarde isso. André era um líder, ele vê potencial no garoto, na geração de jovens. Ele viu Jesus, no capítulo 1 de João, e disse que foi o primeiro a encontrar o Senhor, depois encontra o seu irmão, e agora encontra o garoto. Veja o potencial dessa geração. Os discípulos de Jesus eram jovens, somente Pedro era casado. Só Jesus e Pedro pagavam impostos. Por que só eles pagavam impostos? Só os acima de 20 anos pagavam impostos. Mas a resposta de André é: “Mas isto que é para tanta gente?” O problema de Felipe era a grandeza da necessidade, o problema de André era a pequenez da provisão. Ele olhou para a pequena provisão e duvidou. Felipe olhou para as pessoas e André olhou para a pequena provisão, mas nenhum deles olhou para Jesus. Não fique olhando para o seu problema ou para a sua pouca provisão, olhe hoje para o tamanho do Senhor e sua bondade.

Eliseu mandou a mulher pedir vasos vazios emprestados aos vizinhos. Eles trouxeram tudo que conseguiram. Eles começaram a derramar o óleo do pequeno vaso”, era como uma pequena garrafa de azeite. Quanto mais eles derramavam, enchia, enchia e enchia até não ter mais vasos. Ela pediu mais, mas não tinham mais.  Se tivessem mais vasos, teria mais óleo; acabaram os vasos, mas não acabou o óleo. Escute, quando Jesus entra na história, a provisão sempre será maior que a necessidade. Quando Deus desceu para julgar Sodoma e Gomorra, Ele desceu para ouvir Abraão e Ele não parou de dar misericórdia a Sodoma e Gomorra até que Abraão parou de pedir. Esses são os caminhos de Deus, diferente do mundo. A visão do mundo está baseada na escassez. Ou falamos como Felipe, baseados no tamanho do problema, ou falamos como André, baseados na pequenez da provisão. O que temos é pouco. O que você tem na sua casa é pouco? Então, vá. É o suficiente. Então, foi ela e fez saber ao homem de Deus; ele disse: Vai, vende o azeite e paga a tua dívida; e, tu e teus filhos, vivei do resto. (2Rs 4.7)

3- A suficiência do salvador
Disse Jesus: Fazei o povo assentar-se; pois havia naquele lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. (Jo 6.10,11). Jesus mandou que eles se assentassem. Esta é a primeira coisa que precisa ser feita antes de o milagre acontecer, assentar-se, descansar entregando o problema a Ele. E o fizeram, repartindo-se em grupos de cem em cem e de cinqüenta em cinqüenta. (Mc 6.40 –grifo nosso). A palavra repartidos” é “enfileirados”, “em fila”. Eles sentaram de cinquenta em cinquenta e de cem em cem para facilitar a comida chegar até eles. Jesus organizou na hora do milagre. Ao contrário do que se pensa, Deus faz milagres na ordem. Tudo era múltiplo de cinco, cinquenta e cem. Quando Israel saiu do Egito, saíram ordenados”, ramach”, que vem de romach”, que é cinco. Então, saíram de cinco.

Porém Deus fez o povo rodear pelo caminho do deserto perto do mar Vermelho; e, arregimentados, subiram os filhos de Israel do Egito. (Êx 13.18). “Arregimentados”, em formação de combate, ordenados para a batalha em grupos de cinco, armados . Assim, Deus fez o povo dar a volta pelo deserto, seguindo o caminho que leva ao mar Vermelho. Os israelitas saíram do Egito preparados para lutar. (Êx 13.18 – NVI, grifo nosso). Na versão NVI, diz que eles saíram preparados para lutar”. Sair em grupos de cinco, múltiplos de cinquenta e cem. Esta é uma figura de estar armado, esta é a ordem divina. O número 5 é o número da graça. Somente no quinto dia da criação, Deus usa pela primeira vez a palavra crescer e multiplicar, porque somente nesses dias os animais foram criados. Primeira menção de multiplicação.  

Como líderes, primeiro nós precisamos nos assentar para que depois ensinemos as pessoas a se assentarem, caso contrário, não poderemos ministrar a elas. Como Pai de família, como mãe, como patrão, primeiro você precisa aprender a descansar para que possa ministrar e lidar com os problemas dos outros. Antes de orar, livre-se do estresse e da ansiedade, entregue a Deus a sua preocupação. Jesus deu graças por tão pouco. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. (Jo 6.11).

Às vezes, reclamamos do pouco e não agradecemos tudo que temos de bom, mas Jesus, o criador do universo, está agradecendo por tão pouco. Jesus não olhou para o tamanho do problema e nem para a pequenez da provisão, Ele olhou para o Pai e agradeceu. Não olhou para o problema, mas olhou para quem pode tudo e o pouco se tornou muito. Entretanto, outros barquinhos chegaram de Tiberíades, perto do lugar onde comeram o pão, tendo o Senhor dado graças. (Jo 6.23). O Pai ficou tão alegre com isso que fez com que o Espírito Santo registrasse isso mais tarde, novamente, no mesmo capítulo. O milagre aconteceu depois de Jesus dar graças. O que vai acontecer quando você der graças? Ele nos mostrou como receber o nosso milagre.

Tomando ele os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou; e, partindo os pães, deu-os aos discípulos para que os distribuíssem; e por todos repartiu também os dois peixes. (Mc 6.41 – grifo nosso). “Deu-os aos discípulos” significa continuou entregando”, não esgotava. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. (Jo 6.11 – grifo nosso). A economia de Deus é assim, sempre é para o quanto queremos. Jesus multiplicou pães em outro lugar, para 4 mil, mas lá Ele usou sete pães. Sobrou sete cestos cheios. Sete é o número das sete nações gentílicas. Aquele milagre foi para os gentios. Aqui sobraram doze cestos, que é o número das nações de Israel, são todas bênçãos para nós, hoje somos o Israel de Deus, fomos enxertados na oliveira.

Jesus usou cinco pães para 5 mil homens, mas, para 4 mil, usou sete pães. A economia de Deus é assim, quanto maior o problema, mais fácil para Deus. Precisa de menos para fazer o maior. Para o homem, quanto maior o problema, mais precisa. Para Deus, o problema grande Ele resolve fácil. Não importa se é um câncer ou uma dor de cabeça, apenas olhe para Ele. Deus não funciona como a economia do mundo. Ele partiu os pães antes de repartir. Na mão de Deus, o que Ele divide aumenta. Ele partiu e depois multiplicou. É multiplicação na divisão. Tem gente que não vem no culto porque não pode perder o dia do descanso, mas quando você dá o domingo a Deus, Ele multiplica o descanso na sua vida. Tudo que você dá a Deus não é subtração, como muitos pensam sobre o tempo liderando, ou a oferta e os dízimos. Mas o que aparentemente subtrai para com Deus é multiplicação. Vai aumentar pela divisão.Quantos eles queriam?” Cada um tem um nível de contentamento. Quanto você quer de Deus hoje? Não limite o seu poder.

Deu José esta ordem ao mordomo de sua casa: Enche de mantimento os sacos que estes homens trouxeram, quanto puderem levar, e põe o dinheiro de cada um na boca do saco de mantimento. (Gn 44.1). O despenseiro é uma figura do Espírito Santo. Quanto você quer? Peça para que Deus aumente a sua capacidade de receber. Ele quer lhe dar mais. Você orou por um trabalho, mas Ele quer lhe dar uma posição; pediu um casamento, e Ele quer lhe dar uma família. Contudo, você pensa que não pode ter porque olha para si mesmo, sua pouca educação ou o seu passado, sua pouca experiência. Dê graças pelo que tem e descanse, porque Ele não vai descansar até dar o o quanto queriam”. E, quando já estavam fartos, disse Jesus aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca. (Jo 6.12).

Não quando comeram e gostaram, mas até ficarem cheios. Não combina com a dieta que nos ensina a não comer até ficar cheio. Receba até estar satisfeito, não se contente com menos ou um pouco. Um pouco era o que tinham, o muito é o que sobrou. Ele disse que recolhessem para que nada se perdesse. No evangelho, nada se perde. Com Deus não falta nada, mas não devemos desperdiçar. Assim, pois, o fizeram e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que haviam comido. (Jo 6.13). Sempre que você voltar a Jesus, você encontrará suas mãos cheias. Talvez os discípulos esperaram para comer no fim, não sabiam se ia acabar, mas havia abundância para eles no fim também. Na economia de Deus, quando você der, sempre haverá abundância de volta. Não olhe para a imensidão da necessidade ou para a pouca chance de solução, olhe para o Senhor que ama você. N’Ele, há plena suficiência. Seus pecados foram perdoados porque o Cordeiro foi morto, e comemos do cordeiro assado como plena provisão para nossas necessidades.

Perguntas para compartilhar:
1 – Qual o tamanho do seu problema hoje? 
2 – Você tem olhado para Cristo no meio das dificuldades?

Tags