Chamados, e não voluntários

Ele tem chamado homens em todos os lugares para perder a sua vida aqui e ganhar um galardão no céu

por Naor Pedroza, Pastor da Videira em Goiânia (GO) e fundador do Ministério Radicais Livres

Quantos você acha que vieram quando Jesus chamou? Você acha que foram só doze? Muita gente deve ter aparecido, mas Ele só chamou doze, e só chamou os que Ele quis. Quando diz “chamou quem ele quis”, é porque Ele tinha ouvido a voz do Pai, e Deus tinha-lhe dito quais eram os que deveriam estar ao seu lado. Deus não usa voluntários, não somos uma ONG, não há espaço para voluntários no reino de Deus.

Nem todos puderam seguir Jesus como discípulos. Um voluntário quis segui-lo e lhe disse: “Por onde o Senhor for, eu vou também” (Lc 9.57), e a resposta de Jesus foi categórica: “As raposas têm os seus covis, têm onde morar e dormir, mas eu não tenho onde repousar a cabeça”. Por que Jesus disse isso? Porque Ele era dirigido pelo vento (o Espírito Santo), e o vento sopra onde quer, o vento está à mercê do Pai.

Deus continua chamando pessoas hoje, mas não vai aceitar voluntários. Jesus não veio à Terra nem foi crucificado porque era um voluntário de Deus. Você acha que, na reunião do Pai, do Espírito e do Filho, Jesus disse: “Eu sou voluntário para ir à Terra?” Não, tudo o que Ele fez foi fruto de obediência a Deus. Se você não sabe o que é obediência e submissão, ou você aprende, ou não pode andar no mover de Deus.

No meio da igreja hoje, há um pensamento mundano sutilmente tomando lugar: a ideia de que a obra de Deus é feita com voluntários. A questão é que voluntários não geram frutos, só querem fazer o trabalho, não querem servir a Deus. Existe uma diferença entre servir e trabalhar para Deus. Trabalhar para Deus, ou ser voluntário, significa que eu escolho o que vou fazer; ser chamado significa que eu faço o que Deus manda.

Deus não vai usar voluntários, Deus não vai usar filhinho de papai, queridinho da mamãe, que não pode liderar, que não vai para a reunião porque está com dorzinha de cabeça. Está doendo? Vai com a cabeça doendo! Tome a sua cruz, ponha nas costas e vá adorar a Deus. Está contrariado? Morra, humilhe-se e vá servir com amor. Mas nós somos uma geração rebelde, uma geração que se levanta contra pai e mãe, que se levanta contra autoridades, uma geração contaminada com a semente da rebelião de Lúcifer. Apesar disso, Deus está levantando um povo quebrantado, homens que se submetem.

Certa vez, os fariseus perguntaram a Jesus: “Quem lhe deu poder, quem lhe deu autoridade para fazer o que você está fazendo?” Jesus respondeu, fazendo-lhes outra pergunta: “O batismo de João era do céu ou da terra?” Mas eles se recusaram a responder, pois se dissessem “do céu”, Jesus questionaria por que eles não crerem, mas se dissessem “da terra”, era para temer o povo, que acreditava no batismo de João. Logo, nada responderam.

Diante disso, Jesus também não respondeu, mas aos discípulos Ele revelou o que estava dizendo: “Vou falar em parábolas porque eu tenho poder e autoridade para expulsar demônios e fazer milagres, para fazer o cego ver e o paralítico andar, eu tenho autoridade porque, embora sendo maior que João Batista, eu me submeti. Ele veio primeiro que eu e, embora não tendo pecado, eu fui até ele para ser batizado, fui até ele para cumprir toda a justiça, por isso eu tenho autoridade”.

Você quer ter poder, quer ter autoridade? Submeta-se! Submeta-se ao Cristo que está dentro daqueles que Deus colocou sobre a sua vida; submeta-se ao seu pai, à sua mãe, aos governos, aos seus líderes; morra para a sua vontade e Deus vai exaltá-lo.

O servo é servo, ele não escolhe, mesmo quando está sendo abusado continua servindo. Na verdade, é nesse momento que um servo é testado, no momento em que ele é abusado. Se Deus me mandou estar em determinado lugar, nem que eu tenha de ficar sozinho, eu vou ficar, porque sou servo, eu não estou fazendo para mim, não estou fazendo para alguém ver, estou fazendo porque o meu Senhor mandou. Servos não escolhem, eles obedecem. Todo trabalho espiritual deve começar com um chamado de Deus.

Condições no chamado

Há uma condição colocada por Jesus em Lucas 9. Ele chamou dois homens para segui-lo e, diante das respostas, expôs a condição. Ao ser chamado, um dos homens respondeu: “O meu pai faleceu, me permita sepultá-lo e depois eu venho e sigo o Senhor”, mas Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos, e você venha e me siga”. Eu acho que muita gente ia ficar ofendida, certamente diria: “Nossa, Jesus, você não é nem um pouco sensível, é meu pai!” Será que os jovens desta geração aguentariam ouvir o que Jesus disse? Outro homem disse: “Permita-me despedir-me dos da minha casa, minha mãe, minha vó, etc.”, ao que Jesus respondeu: “Quem pegou no arado e olha para trás não pode andar comigo”.

Então, Jesus impôs duas condições. O que significa isso? Ao primeiro, Ele disse: “Deixe o seu pai ser enterrado por outros”. Ele queria mostrar um princípio, uma condição: aquele que amar o seu pai (que dentro de uma casa saudável é uma das pessoas mais preciosas, pois traz mais segurança para qualquer ser humano) e a sua preciosa mãe mais do que a mim não pode ser meu discípulo. Não seja rápido em dizer que pode, porque Deus vai testar isso. Se hoje Deus o chama para uma vida consagrada e você diz “sim”, então Deus diz que a primeira coisa que Ele quer é que você o ame mais do que a todos.

Ao segundo homem que chamou, Jesus disse: “Você quer se despedir dos da sua casa, da sua família? Quem pega no meu arado e olha para trás não é digno de mim”. Quando nos consagramos a Deus respondendo ao seu chamado, muitas vezes isso irá implicar um fim nos nossos planos profissionais e pessoais, inclusive nos que os nossos pais planejaram para nós.

Elias passou por Eliseu um dia, jogou o manto sobre ele e disse: “Você sabe o que eu fiz com você, eu o chamei”. A Bíblia diz que Eliseu imediatamente respondeu àquele chamado, então foi, matou o boi (ele trabalhava como fazendeiro), pegou o aparelho que conduzia o animal, fez uma fogueira, queimou o boi e deu para o povo comer. O que ele fez? Queimou o diploma, queimou o futuro, os sonhos do seu pai, queimou os seus próprios sonhos, porque, quando Deus chama um homem ou uma mulher, essa pessoa não serve para outra coisa. Eu nunca conheci nenhum “destruidor de futuros” maior que Jesus. Ele tem destruído o futuro de muitos jovens pelos séculos. Ele tem chamado homens em todos os lugares para perder a sua vida aqui e ganhar um galardão no céu.

© 2017 Igreja Videira. Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Alisson Martins