A roupa da mulher cristã

A moda pode desvalorizar a mulher e o seu corpo, por isso precisamos ter um padrão para nos vestir. Nosso padrão, em primeiro lugar, é não entristecer o Espírito Santo, em segundo lugar, é nos vestir de forma que não levaremos nossos irmãos a pecar por causa do modo como nos vestimos. Sejamos sensíveis para ouvir a voz que nos direcionará. Haverá uma voz dentro de nós que nos dirá se a nossa roupa está ou não entristecendo o Espírito Santo. “Não apagueis o Espírito” (1Ts 5.19). Se a Bíblia nos adverte quanto a apagar o Espírito, é porque podemos fazê-lo. Tive uma experiência com a voz do Espírito Santo que me marcou. Por um tempo, afastei-me das orações e do relacionamento com o Senhor, não saí da igreja. Estava distante, semelhante ao que diz a Palavra: louvando com a boca, mas o coração estava longe. Então, comecei a usar muitas roupas coladas e de alça, calças muito justas, pois achava bonito em meu corpo. Usava sem me preocupar com o Espírito Santo, nem com as outras pessoas. Vesti-me assim por alguns meses.

Então, voltei a me relacionar com o Senhor e o meu coração foi aquecido novamente pela presença de Deus. Aconteceu que, certo dia, ao vestir a roupa que sempre vestia, o Espírito Santo me disse: “Essa roupa não é apropriada para uma mulher de Deus”.Fiquei tão constrangida com a voz do Espírito Santo que, imediatamente, tirei aquela roupa e coloquei outra. Nunca mais tive coragem de colocá-la. A transformação vem de dentro para fora, não nos esqueçamos disso. Olha só o que o Senhor nos ensina sobre nosso corpo: “Porém o corpo não é para impureza, mas, para o Senhor, e o Senhor para o corpo” (1Co 6.13).

Algumas pessoas não se importam em se vestir de forma impura, elas se vestem para agradar a si mesmas e se esquecem de que o seu corpo é para o Senhor. Muitas têm a roupa de trabalhar, a de ir para escola, a de usar nos fins de semana e a de ir para o prédio da igreja. Não posso me esquecer da roupa para ir a casamentos. Algumas pessoas acham que, ao ir a um casamento, estão liberadas para usar decotes enormes, mostrando suas costas ou ainda tomara que caia. Tudo isso é meio incoerente, não? Se tenho uma roupa que não posso usá-la para ir ao culto, ela também não me serve para frequentar nenhum outro lugar. Precisamos ser coerentes e nunca excedentes. Do mesmo modo que há uma roupa adequada para cada lugar e ocasião, não há roupa adaptável o bastante para servir em todos os lugares e em todas as ocasiões. Sejamos sensatas e não vamos andar por aí parecendo que chegamos da guerra!

Fonte: Além do sapatinho de cristal – Pra. Dalva Rigonato.

Tags