A passagem da infância para a pré-adolescência

É muito importante revermos alguns conceitos, pois o que se espera até os 7 anos é que os pais tenham o controle da educação dos filhos. Por quê? Porque, quando os pais não moldam a criança até os 7 anos, depois fica muito difícil fazê-lo. Portanto, nessa nova fase, os pais vão consolidar aquilo de bom que já foi semeado na vida dos filhos. Essa semeadura se refere a tudo que falamos que deve envolver a infância. Vamos relembrar algumas coisas. A essa altura, o seu filho já tem uma autoimagem, ele já tem um referencial de autoridade dos pais, ele já tem valores formados sobre o que é errado e certo, já provou da disciplina e já obedece sem resistir.

Quanto aos pais, eles também já tiveram oportunidade de discernir o propósito da sua paternidade, já conhecem as necessidades básicas do seu filho, como também as espirituais. Como pais, vocês já começaram a praticar as leis da criação de filhos, já lhes passaram valores morais e espirituais que vão nortear a sua vida, já aprenderam a aplicar a disciplina, sua autoridade já não é questionada pelos filhos. Portanto, a base da criação dos filhos já deve estar formada até aqui. Daqui para frente, é só uma questão de consolidar.

Mas talvez você pense que faltou alguma coisa que ainda precisa ser feita. Então, é a hora de aproveitar, pois dos 7 aos 12, é a última fase para moldar o seu filho.

A última oportunidade para os pais moldarem o filho
Sem dúvida, a pré-adolescência é última fase para você moldar o seu filho. Os estudos e a experiência apontam a idade de 7 anos para a formação da personalidade. Isso significa que os próximos anos podem ser calmos ou muito conturbados, tudo depende do que foi semeado até aqui. A pré-adolescência é também a última boa fase de manter o seu filho perto de você,Porque, depois, ele certamente vai preferir sair com os amigos, e a turma vai atraí-lo mais do que a sua família. Para que você possa trabalhar bem a educação dos seus filhos, é importante que conheça algumas características dessa idade.

Características do pré-adolescente
As características falam daquilo que eles já trazem dentro de si, daquilo que é inato, mas que se manifesta nessa idade. Reconhecê-las ajuda os pais a investir e a se relacionar com eles de maneira saudável.

Vivacidade
Diz respeito à sensibilidade que a criança desenvolve nessa idade para perceber fatos. Alguns dizem que a criança nessa idade tem memória de elefante, se você prometeu dar a ela um videogame no aniversário, ela não vai deixar você esquecer. Elas têm um grande interesse em fazer coisas, ser úteis e não gostam de se parecer com as crianças pequenas. Portanto, mamãe, não a chame de bebê!

Crescimento emocional
As emoções da criança estão amadurecendo. Nessa idade, para que o ensino seja recebido interiormente, os sentimentos da criança precisam ser envolvidos. Por isso, o melhor ensino será certamente aquele que mostrar amor e interesse por sua pessoa. Quando o ensino envolve alguma experiência desagradável para a criança nessa idade, os sentimentos definem o seu aprendizado.
Eu não me lembro do conteúdo da matéria de Português no Ensino Fundamental, mas me lembro da professora que nos inspirava a ler livros, ela conseguia fazer com que uma simples história parecesse muito interessante. Isso me despertou para a leitura. Até hoje me lembro dela e de sua atenção para com os alunos. Havia mais do que a didática envolvida, eram os sentimentos bons que ela despertava que nos motivavam a ler.

Gosto pela aventura
As crianças dessa idade demonstram um grande prazer por desafios, querem descobrir coisas novas. Por isso, têm tanta atração por jogos, brinquedos e até mesmo pelas atividades intelectuais que as desafiam de alguma forma. Elas adoram competir e, o melhor, se mostram abertas a participar de todo tipo de atividades com os seus pais.

Para aproveitar essa fase, os pais devem levar os filhos a visitar lugares interessantes,despertar neles o interesse pela leitura, investir em livros em vez de dar apenas brinquedos. Lembro que, quando moramos na Inglaterra, tínhamos o hábito de sair aos sábados para conhecer lugares interessantes, ainda que fosse um parque, o que é muito comum por lá. Nossas filhas tinham apenas 3 e 5 anos, mas já demonstravam prazer nessas atividades. Também visitamos vários museus em Londres e, embora elas fossem pequenas, desde essa época foram estimuladas a desenvolver um interesse por novos conhecimentos. Hoje, elas são adultas e isso é algo que permanece nelas.

Veja, investir na infância não é apenas ir a parques de diversões, pode ser mais interessante do que você imagina. Os pais podem crescer junto com os filhos e começarem a se interessar junto com eles por adquirir novos conhecimentos. Vai uma boa sugestão para os pais que têm filhos nessa idade: programe umas férias para conhecer lugares históricos, leve-os aos pontos mais importantes do lugar, pegue um mapa e mostre para o seu filho onde fica, use uma enciclopédia ou o computador e descubra por que aquele lugar tem tal nome. Com certeza, viajar em família vai ficar muito mais interessante.

Idade da imitação
A forma mais eficaz de a criança de 7 a 12 ser guiada é pela imitação. O exemplo dos pais ou daqueles que ela admira é o fator que mais influencia o seu desenvolvimento social, moral e espiritual. Portanto, pais, não ousem ser o que vocês não querem que seus filhos se tornem. Pais que riem por quebrar as regras no trânsito, que discutem com as pessoas por coisas banais, que desrespeitam autoridades, sejam elas professores, líderes, chefes, não podem esperar que seus filhos ajam de forma diferente. Os exemplos dos pais é que vão ajudar o pré-adolescente a formar os seus padrões.

Uma garota de 12 anos estava conversando com sua colega e contando que os pais estavam com dificuldades de pagar a escola em que ela estudava. Então, a colega lhe disse:

“Por que você não faz como eu? Vou mudar de escola no próximo ano, por isso os meus pais já pararam de pagar”.

De onde essa garota tirou esses conceitos? Do mau exemplo dos pais. Os pais desenvolvem honestidade nos filhos sendo eles mesmos honestos. O contrário também é verdadeiro. As crianças já trazem em si a capacidade de serem honestas, tão honestas que às vezes até expõem os pais com os seus comentários. Os pais precisam entender que o fato de terem erros, falhas, sofrerem pressões e ansiedade não lhes dá o direito de oferecer aos filhos um padrão inferior. É bom lembrar que, quando os pais conquistam o respeito dos filhos pela sua honestidade, os filhos também vão parar para ouvir a respeito da sua fé.


Tags